O que é cessacionismo?

Existem várias posições quanto à atualidade dos dons espirituais (chamados dons extraordinários). As principais correntes podem ser agrupadas entre cessacionistas e contemporanistas (pentecostais, neopentecostais, abertos mas cautelosos, etc.).

Os cessacionistas crêem que os dons do Espírito Santo cessaram e não estão disponíveis para a igreja hoje. Baseiam-se em duas premissas. Uma delas diz que os dons eram características do ministério apostólico, são "marcas dos apóstolos". Com amorte destes no século I os dons cessaram. Outra baseia-se em 1Co 13:8. Para eles "o que é perfeito" é a Bíblia Sagrada, ou seja, quando o cânon foi completado, as profecias cessaram e as línguas foram aniquiladas. Estes são os argumentos, por assim dizer, bíblicos para embasar o cessacionismos. Eles (digo "eles" pois sou pentecostal) também lançam mão de argumentos históricos ("existe séculos de silêncio sobre os dons") e teológicos (o princípio do Sola Scriptura).

Claro que os argumentos cessacionistas são muito frágeis e facilmente refutáveis à luz da Bíblia. Talvez por isso alguns livros e artigos sejam meio que gritados: "A tragédia Corintiana", "A Irreverência dos Carismáticos", etc.

Então, cessacionista é a pessoa que não acredita em dons espirituais nos dias de hoje.

13 comentários:

  1. Há o argumento exegético (referente ao fato de que "to teleion" - a coisa perfeita ou completa, está no gênero neutro, e se contrapõe a "to ek merous" - as coisas parciais) e há o argumento metafórico (do espelho e seu significado hermenêutico, à luz de Tiago.

    ResponderExcluir
  2. Sou Cessacionista e mesmo sem querer, o artigo é excelente pra defender tal doutrina. Os argumentos a favor do cessacionismo não são nem um pouco frágeis. Gostei!

    ResponderExcluir
  3. Rossane,

    Obrigado pelo seu comentário. No artigo, fiz menção aos principais argumentos cessacionistas, sem me preocupar em defendê-los ou refutá-los.

    Mas continuo achando-os um bocado frágeis.

    ResponderExcluir
  4. Concordo que os argumentos não são frágeis. Geralmente cremos que o que é diferente do que cremos é frágil; isso é normal em todas as religiões e crenças, como também no cotidiano.
    Igualmente não há apenas cessacionistas, os quais crêem que os dons hoje representados pelos pentecostais simplesmente cessaram no 1º século, mas também há a opinião de que alguns dons por eles representados hoje eram originalmente diferentes.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Saudações, irmão.
    Que a Paz e a Graça de nosso Senhor Cristo Jesus sejam contigo.

    Em primeiro lugar, dou graças a Deus por ti, porque muito me alegro quando vejo mais um irmão que, do meio do presente caos carismático, emerge para crer nos princípios da Reforma - que nada mais são do que a Sã Doutrina Bíblica.

    Quanto a sua exposição a respeito do cessacionismo, complemento-a lembrando que nem todos cessacionistas crêem no fim de TODOS OS DONS e que só o cessacionismo moderno crê no fim de TODOS OS DONS EXTRAORDINÁRIOS.

    O cessacionismo da época de Calvino e Lutero dizia (baseado na exegese dos últimos capítulos de Zacarias e no capítulo 9 de Daniel, além das reflexões sobre 1 Coríntios sob iluminação do texto de Efésios) que os dons revelatórios e os "sinais do Apostolado" são característicos do primeiro século, contudo que podem surgir (com autoridade não-canônica ou como vicário do cânon ausente) quando a Soberania de Deus deseja - para socorro da Igreja, geralmente diminuindo na proporção em que a Igreja se estabelece, porque, dentre outras coisas, cedem parte do tempo para a presença do cânon com um aprofundamento da Doutrina. Esta diminuição não era vista como prejuízo, mas como um equilíbrio bem vindo. Este cessacionismo também defende que o dom de línguas "se encerra por si mesmo" (que é o que significa a expressão relacionada a este dom em 1 Coríntios 13) por ser ele um "sinal para os incrédulos" - ainda que, igualmente, pela Soberania de Deus, geralmente no campo missionário ou em situações especiais, possa eventualmente ocorrer. Quanto ao dom de línguas, este cessacionismo entende 1 Coríntios como afirmando que, quando ele se manifesta sem interpretação, se torna um sinal de egoísmo e de julgamento.
    Quanto ao dom de profecia, como seu aspecto revelatório cessa no primeiro século, e como ações de categorias adjuntas à revelação diminui com o desenvolvimento da Igreja, ele tende a se tornar um dom que promove "aprendizado, edificação, exortação e consolação" em lugar de um dom revelacional/preditivo. Um estudo da vida de John Knox e dos puritanos Escoceses é muito esclarecedor quanto a isto. Charles Spurgeon também escreve de maneira muito interessante sobre o assunto em duas ocasiões que se complementam muito bem: 1) Sua Autobiografia quando descreve o que podemos chamar de ocorrência profética oriunda de uma Providência Especial de Deus.
    2) Um belo sermão chamado "Uma Palavra aos que Procuram Sinais e Prodígios" onde ele traça, com a maestria que eu não possuo, algumas das conseqüências da crença neste tipo de cessacionismo.

    Quanto aos outros dons como Discernimento de Espíritos, Sabedoria, Conhecimento e etc., como a Escritura SILENCIA a respeito da exata natureza desses dons, estes cessacionistas que eu descrevo especulam sobre suas aplicações e ocorrências nos dias de hoje (lembramos das famosas visões de Lutero). Mais uma vez recomendo a leitura de Puritanos, desta vez de Samuel Rutherford, William Perkins e Richard Baxter, no que escreveram a este respeito.

    Farei agora, duas críticas pontuais nas quais não posso me estender, mas que espero servirem de reflexão:
    1 ) Infelizmente tem ocorrido uma supervalorização dos dons extraordinários e uma subvalorização dos dons ordinários. Não são, segundo 1 Coríntios 12:28, os dons de Socorro e Governo superiores ao dom de línguas? E os mestres superiores aos operadores de milagres?
    2 ) Muitas vezes os Cristãos se confundem ao avaliar a Escritura à luz da experiência, em lugar de considerar a experiência sob a Luz da Escritura. Isto faz com que eventos sobrenaturais que não são dons sejam considerados dons ou que determinado dom seja tomado por outro e que, com este pressuposto, o assunto seja avaliado. Por exemplo, se um determinado irmão ora e uma pessoa é decididamente curada de uma grave doença, isto é necessariamente um dom de cura? Ou Deus agradou-se de ouvir ao "justificado em Cristo" que clamava, misericordiosamente atendendo-o porquê "muito pode a oração do justo em seus efeitos"? Um homem que prenuncia certo evento e se entrega à oração clamando ao Senhor por isto, e é atendido. Este homem teria o dom de profetizar ou, simplesmente, o dom da fé (lembremos de George Müller)?

    Sinceramente, creio que os Reformados precisam debruçar-se sobre o assunto e cunhar uma precisa e sistemática "Teologia dos Milagres", em auxílio aos irmãos pentecostais que são, muitas vezes, presas para falsos profetas e charlatães e em auxílio aos irmãos reformados que muitas vezes não conhecem um Deus Vivo e que nos Vê.

    ----

    Resumo minha colaboração da seguinte maneira:
    Um homem não precisa ser pentecostal, nem precisa ser "Sovereign Grace" (seguidor de John Piper e Wayne Grundem) para crer na manifestação sobrenatural de Deus, inclusive na manifestação de dons espirituais. Se os dons forem tomados com seriedade, se for pautado pela Escritura quanto à qualidade e efeito que o dom deve ter, se for pautado pela Escritura quanto ao momento e circunstância lícita para a manifestação do dom, bom, se for assim, há muito espaço na tradição Reformada, especialmente na teologia Puritana, para que a Doutrina e a Teologia sejam experimentadas em Palavra e em Poder, afetando integralmente o homem e da Igreja, com a mão poderosa de Deus estendida para operar em nosso meio.

    Peço desculpas pelo comentário tão longo e por fazer uma exposição tão "rasteira" sobre um tema tão rico e precioso. Sei que devo ter cometido muitas falhas e que pontos importantes podem estar meio embaralhados. Rogo ao Espírito de Deus que ilumine e guie os Seus Filhos que lerem esta humilde exposição para aprofunda-se no assunto pela Palavra e com o auxílio de tão habilidosos mestres que o Senhor deu à Igreja - como foram, os já referidos Puritanos e Reformados. Se alguém desejar saber mais sobre o assunto, esteja livre para me escrever por e-mail (ou pelo meu blog) e eu poderei falar mais pausadamente, citando e trabalhando os textos Bíblicos referentes ao assunto. Quanto ao porque desta exposição: sou membro de uma Igreja Puritana no Rio de Janeiro (atuamos, com algumas congregações, na região de Angra dos Reis, São Paulo ABC, Teresópolis, Magé, Rio das Ostras e Cabo Frio) e batalhamos contra a Teologia tradicional Pentecostal e neo-pentecostal arminianismo/ pelagianismo/ antropocentrismo/ prosperidade/ confissão positiva etc.), contra o modernismo, contra o relativismo e contra a frigidez intelectual de certos ramos da Reforma - se alguém desejar colaborar conosco ou conhecer-nos, também esteja livre para escrever-me.

    Quanto ao nome deste ramo citado do cessacionismo, bom, eu agrupei aqui características do Cessacionismo Clássico (original da Reforma) e do Cessacionismo Concêntrico (um desenvolvimento posterior baseado nos trabalhos de Calvino).

    Oremos para que o Senhor abençoe Sua Igreja e levante homens capazes de expor Sua Palavra com fidelidade, homens que não amem a religiosidade ou o partidarismo, mas que amem ao Senhor e a Verdade que Ele, graciosamente nos deu. Oremos para que toda nossa teologia esteja centrada na Cruz e que não ultrapassemos a Escritura, nem barateemos o precioso Sangue que nos Libertou.

    ResponderExcluir
  6. Pois bem, se os argumento cessacionistas são tão frágeis e refutáveis. Refute-os...

    ResponderExcluir
  7. Qual argumento cessacionista você gostaria de ver refutado? Se for o que se baseia em 1Co 13:8, posso indicar boas refutações já feitas em outros blogs.

    Se tiver em mente alguma mais específica, favor indicar.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  8. O Espírito Santo é eterno e continua a agir em favor do povo. É o Espírito Santo quem convence o pecador ao arrependimento.
    Os dons Espirituais estão escritos na Bíblia: 1 Coríntios 12.8-10. José Carlos.

    ResponderExcluir
  9. refutação... cadê???

    ResponderExcluir
  10. Existe um estudo muito serio a partir da biblia, sao 6 aulas sobre o espirito santo que valem a pena escutar neste endereço: http://www.estudosdabiblia.net/espirito.htm

    ResponderExcluir
  11. Eduardo Erminio Marin20 de outubro de 2012 15:02

    A maioria dos cessacionistas creem que, embora Deus possa e ainda faça milagres hoje, o Espírito Santo não mais usa indivíduos para realizar sinais miraculosos.

    fonte: http://www.gotquestions.org/Portugues/cessacionismo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você concorda com o exposto no link indicado, Eduardo?

      Em Cristo,

      Excluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.