Teólogo aponta crescimento do `cristianismo reformado´ na Indonésia

Teólogo aponta crescimento do `cristianismo reformado´ na Indonésia, maior país muçulmano

Com mais de 16 mil alunos, a “Universitas Pelita Harapan” é uma das maiores universidades cristãs reformadas do mundo. Criada há apenas 22 anos, a instituição de ensino oferece uma escola de direito, uma escola de medicina, uma escola de engenharia e uma faculdade de professores, tudo a partir de uma visão de mundo reformada.

"Nós nem sequer temos isso nos Estados Unidos ou na Europa", disse Ric Cannada, chanceler emérito do Seminário Teológico Reformado. "Está na Indonésia. O Senhor costuma fazer coisas incríveis no lugar menos provável - o país com a maior população muçulmana do mundo", disse.

Embora os cristãos sejam apenas 10% da população da Indonésia, a nação é tão populosa que cerca de 25 milhões de cristãos vivem lá. Aproximadamente um terço desse número são católicos, enquanto os protestantes são tipicamente pentecostais ou reformados.

Bancado por um empresário indonésio extremamente bem sucedido e que ama Deus e a teologia reformada, a fundação Pelita Harapan - onde Ric é um conselheiro sênior - abriu 55 escolas cristãs nos últimos 25 anos. Pelita Harapan é o lado da missionário do empresário James Riady. Mas é claro que ele também tem um lado de negócios. E é enorme: 30 hospitais, 64 shoppings, 125 lojas de departamentos e o maior grupo de mídia do país.

Ambos são formados pela tradição reformada, disse Niel Nielson, ex-presidente da Covenant College, que agora lidera a ala de educação da fundação e se senta na diretoria de seus hospitais e lojas de departamento.

"A família Riady é apaixonadamente reformada em sua perspectiva teológica, e eles ligam tudo isso em termos de como eles entendem a corporação", disse ele. "Há energia e foco na integração, ao contrário de qualquer coisa que eu já vi em qualquer lugar do mundo", ressaltou.

"Estamos apaixonados pelos negócios - sobre a sustentabilidade econômica - mas também pela visão bíblica da graça comum que leva à graça salvadora para o país", disse Nielson.

“Construir hospitais de qualidade em áreas de baixa renda, significa ter médicos cristãos conversando com seus pacientes muçulmanos, não apenas sobre a saúde de seus corpos, mas também sobre a saúde de suas relações familiares, comunidades e almas”, ressaltou.

"A gente sempre diz que acreditamos que todos foram criados exclusivamente à imagem de Deus, e Ele tem um propósito para cada ser humano", disse Nielson. Essas convicções cristãs não ficam atrás dos bastidores, mesmo que raramente estejam no centro do palco. Por exemplo, as 60 máquinas de café de Riady tocam músicas cristãs, e os funcionários tratam as pessoas com dignidade.

Escrituras

A teologia reformada e sua influência chegou na Indonésia há um bom tempo. Chegou em primeiro lugar no final de 1500 com os holandeses, que pretendiam monopolizar o comércio de especiarias. Junto com os comerciantes, os holandeses enviaram pastores que, como grande parte da Holanda, abraçaram o calvinismo.

Esses pastores chegaram ao povo indígena, mas o calvinismo nunca se tornou dominante na Indonésia, pelo menos por duas razões, de acordo com Yudha Thianto, professor do Trinity Christian College.

Primeiro, a presença arraigada do Islã. Em segundo lugar, os holandeses vieram como conquistadores, não como amigos, o que fez a conversão à sua religião parecer traiçoeira para os indonésios nativos.

Mas os holandeses ficaram lá por um longo tempo, até agosto de 1945. Assim, o calvinismo teve tempo de sobra para ganhar um teto. Em 1945, missionários e pastores sentiram a influência dos ensinamentos de Abraão Kuyper sobre a importância da graça comum e o envolvimento de Deus em cada centímetro quadrado da criação.

Assim, no final do século XIX, as agências missionárias criaram escolas cristãs, hospitais cristãos e igrejas reformadas. Thianto, que nasceu em 1965, foi criado em uma dessas igrejas. "Eu cresci cantando os salmos e hinos enraizados na Genebra de Calvino, adotados pelos holandeses, e depois trazidos para o arquipélago e traduzidos para a língua que agora é indonésio", disse ele.

Queda

Lamentavelmente, muitas dessas igrejas acabaram por perder seu vigor bíblico e teológico. "No final da geração de meus pais, o cristianismo reformado tornou-se muito prático em termos de seu alcance. Eles estão próximos do que eu chamaria de ‘evangelho social’, alcançando a comunidade sem pregar. Eles estavam tentando aplicar em cada centímetro quadrado, em sua vida cotidiana, mas eles esqueceram o fundamento doutrinário", comentou Thianto.

Mas há uma boa notícia: a geração de Thianto instigou uma espécie de renovação, agora com cerca de 25 anos, que levou muitos a redescobrir uma nova excitação para o evangelismo que encontra sua origem nas raízes reformadas. "Estávamos cansados de aplicação sem conteúdo", disse ele. "Pelo menos três de meus amigos são agora presidentes de seminários na Indonésia, que são evangélicos e reformados", finalizou.

Fonte: CPAD News

Creio que deva ler

Pela falta de tempo, optei por não resenhar a obra, limitando-me a listar alguns motivos pelos quais considero sua leitura recomendável e certamente proveitosa.

1. O tema em si

O tema do livro é importante e necessário, especialmente nos dias de hoje em que a doutrina cristã goza de pouca estima e até mesmo sofre de antipatia em muitos círculos evangélicos. Entre os evangélicos, o Credo dos Apóstolos sofre de preconceito histórico, por ser “reza católica”. Recentemente, porém, esse símbolo tem sido objeto de publicações evangélicas que vale a pena serem lidas. A obra do Franklin Ferreira é uma delas.

2. Os subsídios históricos

O livro traz vários subsídios históricos relacionados ao Credo e aos temas nele tratados. O autor recorre e cita com frequência os pais da igreja, os reformadores e outros personagens e situações não tão conhecidos, indicando fontes onde um estudo mais aprofundado pode ser feito. Vale destacar o apêndice com várias versões do Credo encontrados na história.

3. A linguagem utilizada

A linguagem do livro não soa acadêmica. Aliás, o livro parece ter sido pregado, não redigido. Por isso alguns irão notar repetições e reafirmações que talvez pareçam desnecessárias, uma vez que sempre se pode voltar as páginas, se necessário recapitular. Mas outros, como é o meu caso, a leitura parece mais leve e até mesmo mais pessoal. Além disso, fica evidente o tom devocional e a reverência no estudo da Trindade.

4. A contextualização
O autor não se limita ao estudo do Credo no contexto em que foi formulado. Faz aplicações modernas do mesmo. E isso resulta em críticas a várias práticas e ênfases doutrinárias da igreja moderna. Obviamente a pertinência das críticas e a concordância com elas dependerá de cada leitor, mas é interessante pelo menos pensar sobre elas.

5. A referência a minha pessoa

Por último, foi uma grata surpresa ver meu nome estampado na obra. Não na dedicatória ou nos agradecimentos, mas no texto do livro e na companhia de grandes vultos da história! Ficou curioso? Leia o livro e depois pesquise sobre o Clóvis mencionado.

FERREIRA, Franklin. Credo dos Apóstolos. São José dos Campos, SP: Fiel, 2015. 280p

Soli Deo Gloria

A importância dos mestres na igreja

Vivemos em dias quando a evangelização das multidões interessa mais que a sã doutrina e a busca dos tesouros da Palavra por meio de uma exegese exata da mesma. Mas a experiência prova que não é possível chegar a formar igrejas (e grupos de igrejas) estáveis se o trabalho do evangelista não é seguido pelo ensinamento dos mestres e cuidado dos pastores (Ef 4:11-15).

Quando míngua o natural entusiasmo que se desperta ao ver como as almas confessam ao Senhor (algumas com coração sincero e outras levadas por excitação carnal), sobreveem os problemas da vida cristã, que se desenvolve em meio a circunstâncias adversas e enganos deste mundo. Se então não há quem dê de comer aos recém nascidos, primeiro "leite" da Palavra e depois "manjar sólido", o fogo do entusiasmo se torna na fumaça acre de confusões, divisões e mau testemunho de muitos que ainda tomam o nome do Senhor em seus lábios.

Faz falta a disciplina e o treinamento em justiça que só se consegue pela Palavra ensinada no poder do Santo Espírito, por servos de Deus dotados para esse ministério, e que sejam respeitados e ouvidos pelas crianças e neófitos (2Tm 3:14-17; 2:2,11).

Ai das igrejas que carecem de mestres, ou que, tendo-os, desprezam seu ministério!

Ernest Trenchard.
In: Normas de interpretación biblica.
Tradução livre: CincoSolas

As probabilidades de Deus

Você está jogando pôquer com seus amigos e um deles, o Fred, tira Ás, Rei, Dama, Valete e Dez de espadas – um Royal Flush, a mão mais alta do jogo – cujas chances são de 650 mil para 1. Como esse Fred é sortudo! Na próxima rodada, ele tira as mesmas cinco cartas. Certo, isso é pouco comum, mas vocês se conhecem desde a infância. Mas aí ele tira de novo, e depois mais uma vez. Certo, vocês foram padrinhos um do outro em seus casamentos, mas isso não evita seus sentimentos homicidas. Quando ele tira as mesmas cartas novamente, você vai atrás de uma arma.

Quando algo incrivelmente improvável ocorre, é muito difícil acreditar que é por acaso. Fred está roubando, é óbvio. Ele vai jurar que não está, mas é quase impossível acreditar. Mas vamos pensar. Há algumas propriedades físicas básicas do Universo, como a carga dos elétrons, a força precisa da gravidade, a velocidade da luz etc., e cada uma poderia ter um número infinito de valores. A gravidade (por exemplo) poderia ser um pouco mais forte, muito mais forte, ou um pouco mais fraca. Se alguma dessas propriedades fosse mesmo só um pouco diferente, então nosso Universo poderia não ter existido – com seus planetas, estrelas, vida e nós, seres conscientes, racionais e morais.

As chances contra todas essas propriedades terem ao mesmo tempo o valor necessário preciso para esse Universo existir são literalmente astronômicas. Mesmo assim, aqui estamos. Se você pegou seu revólver quando Fred tirou seu quinto Royal Flush, talvez devesse pegá-lo agora também, porque, quando algo incrivelmente improvável ocorre, é muito difícil acreditar que possa ocorrer por acaso. E não há nada tão incrivelmente improvável como o próprio Universo, entre todos os possíveis universos que poderiam ter existido.

Haveria obviamente só um ser capaz de embaralhar essas cartas. Se é provável que Fred esteja roubando, então é mais do que provável que Deus exista e seja responsável por este Universo.

Andrew Pessin
In: Filosofia em 60 Segundos