Por que não vi graça nesse vídeo

O vídeo abaixo foi postado recentemente no canal YouTube e divulgado no Facebook. Houve quem o considerado um “show” e afirmado “é isso mesmo”. O vídeo é uma sátira dirigida aos calvinistas, e pretende ser engraçado. De minha parte não achei graça nenhuma nele. Eis os motivos:

Mal representa o calvinismo. O calvinismo representado no vídeo não é o calvinismo dos reformadores, nem os das igrejas confessionais, das teologias sistemáticas calvinistas e dos calvinistas modernos. Desconheço qualquer ramo do calvinismo que faça afirmações como algumas das colocadas na boca do “calvinista” do vídeo. Ou o autor do vídeo ignora o que seja e ensine o calvinismo ou então é um mentiroso que não se preocupa em exercer um papel feito pelo Diabo desde o princípio. Nem um caso, nem outro, é motivo para rir.

Ridiculariza o arminianismo. Os arminianos esforçam-se para que o arminianismo seja levado a sério, alguns desejando inclusive ser reconhecidos como membros da comunidade reformada. Mas será difícil que alguém os leve a sério se eles mesmo não se levarem, expondo seus pontos de vista de forma séria e responsável. Para isso, um vídeo como esse não ajuda em nada, se alguém pensar que este é o tipo de resposta que tem a oferecer ao calvinismo.

Inviabiliza um debate sério. É impossível tentar responder seriamente a um vídeo como esse. E é impossível a partir dele evoluir para um troca de ideias sobre os elevados temas das doutrinas da salvação. Só tentar esclarecer as más representações feitas no vídeo já significa dar a ele uma importância que não merece.

Viola o terceiro mandamento. Os motivos acima podem ser relativizados ou mesmo desconsiderados, por serem desimportantes. Porém, no vídeo, o próprio Deus é representado por um dos personagens. Causa repulsa ver a forma como a pessoa do Altíssimo é usada de forma irreverente pelo(s) autor(es) do vídeo. Não se percebe nenhum temor de Deus. Do modo como entendo o mandamento, o nome do Senhor foi tomado em vão, portanto, o vídeo não é apenas sem graça, é pecaminoso.

Não me senti pessoalmente ofendido pelo vídeo. Já estou acostumado com ridicularizações de minha fé e essa nem foi a pior delas. Ofendo-me mais quando calvinistas ridicularizam arminianos. Mas fiquei triste que alguém se desse ao trabalho de publicar uma tolice dessas e indignado em ver o Senhor dos Senhores ser usado para piadas de crentes que pensam ser humoristas.


Soli Deo Gloria

video

PS.: Creio ser meu dever esclarecer que a pessoa que comentou o vídeo dizendo "Show! É isso mesmo" não é o autor do mesmo, e ele reconheceu que estava errado, se retratou do que disse e fez o que estava ao seu alcance para reparar o erro. A atitude dele deve ser registrada como a de um verdadeiro cristão.

11 comentários:

  1. O Deus dos calvos é realmente irado, do último que tenho notícia mandou umas ursas despedaçar uns rapazinhos, ou vai negar a historicidade?

    Brincadeiras a parte, excelente análise, Clovis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece-me que a intenção era caracterizar Deus como "irado", no sentido que os jovens tomam a palavra hoje, algo como "legal" (perdoem-me se não estou sabendo traduzir a linguagem da garotada, é que faz tempo).

      Neste caso, ao sarcasmo, acrescente-se a ironia.

      Em Cristo,

      Excluir
  2. Clóvis e André Fonseca, vendo este vídeo me salta uma pergunta:

    "Os Arminianos não reconhecem a Ira como um Atributo de Deus???"

    Anderson Demoliner

    Sola Gratia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson,

      Creio que os arminianos que o são de fato, creem na ira de Deus, se não como atributo, pelo menos como justa reação pelo pecado. Mas como disse, o autor do vídeo, além de mal representar o calvinismo, ridiculariza o arminianismo, no sentido de que pode levar pessoas a tirar conclusões sobre os arminianos a partir dele.

      Em Cristo,

      Excluir
  3. Não respondo pelos arminianos, mas ira é decorrente do atributo justiça, não é um atributo em se. O amor (misericordia) este sim é um atributo do Deus Verdadeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Sem entrar na questão de se a ira é um atributo em si ou se deriva de um atributo divino, o fato é que a ira de Deus não pode ser negado. Quando usando de sarcasmo alguém diz "o Deus dos calvos é irado", o que se está querendo dizer é que o Deus dos "não calvos" não se ira.

      O vídeo é nojento, pela forma como representa o Deus da Bíblia.

      Em Cristo,

      Excluir
  4. Anônimo, como Calvino mesmo define, a ira é um antropomorfismo (uma característica humana empregada para descrever Deus em uma de suas "interações" com o homem) que não pode ser exatamente a expressão da ira humana em Deus, pois a ira humana é corrompida pela pecado, a ira divina não está comprometida, manchada pelo pecado... seria uma espécie de "ira santa", decorrente de sua perfeita justiça (como vc mesmo colocou). Os atributos tendem a ser "positivos", "ira" parece ser apenas nossa percepção da punição de sua justiça.

    Bem, essa é minha opinião; mas tudo vai depender de como você define o valor da palavra "atributo". Alguns teólogos, como Loius Berkhof, questionam a precisão no emprego deste termo para se referir às "qualidades" ou "características" divinas. Atributo, por simples definição, é aquilo que atribuímos a alguém; logo, dizer que a ira é um atributo divino, nada mais é do que dizer que nós atribuímos o valor da palavra "ira" para alguma "atividade" do "ser" divino. Atributo é o mesmo que antropomorfismo, empregar uma qualidade humana para descrever algo de Deus. Por mera condição de cognoscibilidade, para que Deus possa amar, ele precisa odiar o oposto do que ama. Se alguém sofre o oposto de seu amor, atribuímos a isso o nome "ira". Assim, a ira seria um atributo divino, porque atribuímos (atributo) a ele este valor humano. Mas se você acha que em Deus não pode haver "qualidades negativas", então seria errado empregar o termo atributo como sendo, não o que nós atribuímos a Deus, mas a descrição do que ele é, sem atribuições, como sendo um valor intrínseco independente de nosso julgamento.

    ResponderExcluir
  5. É sério que tem gente que perde tempo fazendo isso?
    Também não vi graça, muito pelo contrário, senti vontade de chorar!
    só consigo pensar na frase dita por Jesus: Pai, perdoa-lhes pois não sabem o que fazem!
    E o pior é que pensam que sabem!
    Excelente análise Clóvis Gonçalves!
    (nem vou tocar em assuntos referentes ao preparo e técnicas multimídias para a produção do vídeo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma produção com "serias restrições orçamentárias" e "carência extrema" de talento.

      Em Cristo,

      Excluir
  6. Argumentos se refutam com argumentos. Agora, quando não se tem capacidade de argumentar bate o desespero e dá no que dá, um vídeo extremamente desesperador. Não compartilharia este vídeo pela extrema ironia beirando ao ridículo. Neste ponto, um ponto para você Clóvis!

    ResponderExcluir
  7. Quem fez esse vídeo é “cristão” ou um IMORAL, IMPURO, ÍMPIO, MALDITO, pois como é que uma pessoa tem a coragem de dizer essas coisas?
    Dizer que o Deus calvinista é um monstro, que Ele coloca no coração do estuprador à vontade e o desejo de estuprar as crianças, e que Ele é o causador do pecado e do mal, é não ter um pleno conhecimento bíblico sobre a Pessoa de Deus. Acredito que essa pessoa não é salva!

    Nem vou comentar o restante, pois isso é revoltante!

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.