Dificuldades em orar

Posso falar de minha própria experiência e, com base nisso, contar-lhe a dificuldade de orar a Deus como eu deveria. Isso é suficiente para fazer homens carnais, pobres e cegos entreterem pensamentos estranhos a meu respeito. Quanto ao meu coração, quando vou orar, acho-o tão relutante em buscar a Deus; e quando ele está na presença de Deus, se mostra tão relutante em permanecer com Ele, que muitas vezes sou forçado, em minha orações, a primeiramente implorar a Deus que pegue o meu coração e fixe-o nEle mesmo, em Cristo; e, quando meu coração está ali, peço a Deus que o mantenha ali (Sl 86:11). Ora, muita vezes, não sei pelo que orar (sou tão cego), nem sei como orar (sou tão ignorante). Somente o Espírito (bendita graça) nos assiste em nossas fraquezas (Rm 8:26).

Oh!, quantas dificuldades iniciais o coração experimenta no tempo de oração! Ninguém sabe quantas distrações e desvios levam o coração a se afastar da presença de Deus. Quanto orgulho também há, se somos capacitados com passividade? Quanta hipocrisia, se estamos diante dos outros? E quão pouca consciência temos da oração entre Deus e a alma, em secreto, se o espírito de súplica (Zc 12:10), não estiver ali para ajudar?

(...)

Somente quando o Espírito entra no coração, há oração verdadeira, e não antes.

John Bunyan
In: I wil pray with the Spirit

3 comentários:

  1. André R. Fonseca7 de agosto de 2012 05:01

    John Bunyan não era o autor favorito de Spurgeon a toa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia desse favoritismo do Spurgeon. Mas Bunyan é incrível a transparência e espiritualidade do autor do Peregrino. A sinceridade dele é tocante.

      Em Cristo,

      Excluir
  2. André R. Fonseca8 de agosto de 2012 18:38

    Pois é... não lembro mais da fonte, mas o peregrino foi o livro que Spurgeon leu mais vezes depois da Bíblia.

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.