Arrependimento e novo nascimento

Agora nos é fácil compreender por que o arrependimento está sempre unido à fé cristã, e por que o Senhor afirma que ninguém pode entrar no Reino dos Céus sem ter nascido de novo.

O arrependimento é esta conversão pela qual, abandonando a perversidade deste mundo, voltamos ao caminho do Senhor. E como Cristo não é ministro do pecado, nos purifica das manchas do pecado, e nos reviste da participação em sua justiça; mas não para que profanemos logo uma tão grande graça com novas faltas, senão para que consagremos o porvir de nossa vida à glória do Pai que nos adotou por filhos seus.

A realização deste arrependimento depende de nosso novo nascimento e compreende duas partes: a mortificação de nossa carne (quer dizer, da corrupção que é gerada conosco), e a vivificação espiritual pela qual a natureza humana é restaurada em sua integridade. O sentido de nossa vida está em que, mortos ao pecado e a nós mesmos, vivamos para Cristo e para sua justiça. E como este renascimento não se consuma enquanto estejamos prisioneiros deste corpo de morte, é necessário que a preocupação de nosso arrependimento dure até nossa morte.

João Calvino
In: Breve Instrução Cristã

Um comentário:

  1. Bom dia,sou anderson da equipe detetive-particular.org ,quero falar que o blog ta de parabens gosto muuito dele,muito bem feito!!!...me recomendaram e estou acompanhando...recomendação hoje é tudo..to precisando saber se esse site aqui é bom por que eu to precisando de um rastreador de carro,moto entre outros alguem conhece o http://www.rastreadorgps.org/ ? se alguem souber de uma referencia me da um toque,e parabens pelo blog bom demais!!

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.