Adestramento de crentes

image Crente é um bicho estranho. Você grita “AMÉM?” e ele responde gritando o mesmo. Se perguntar pela segunda vez, ele responderá mais alto. Se no meio do louvor você gritar “pule na presença do Senhorrrrrrrr”, então eles pulam. Se você dançar de modo estranho, verá correspondência imediata nas pessoas.

Sua linguagem é facilmente influenciável por jargões. Basta pegar qualquer expressão bíblica cujo significado seja obscuro para a maioria, e pronto! Também colam as expressões inventadas que possuem aparência de espiritual, como por exemplo “ato profético”. Difícil de crer que nem existe esta expressão na Bíblia né?

Facilmente também estereotipamos outras coisas que fazem do crente um ser quase alienígena: os lugares que frequenta, o conteúdo de suas conversas e a aversão às coisas “do mundo”.

Pena quem os crentes não são condicionados a obedecer a todo tipo de “comando”. Parece que o adestramento a que foram submetidos possui limitações. Nem todos aceitam sugestionamentos que os levem a renunciar a seus interesses; ou dividirem suas posses com os necessitados; ou mesmo disponibilizar tempo para aqueles que estão abandonados em asilos, orfanatos e nas ruas.

Ah… antes que eu me esqueça, quero deixar claro que amo os crentes. E exatamente por ser um deles é que me incomodo tanto com estas coisas incompreensíveis que aceitamos passivamente em nossa conduta.

Posso ouvir (ler) um “Amém” nos comentários?! rs

Ariovaldo Jr
In: Adestramento Cristão via Genizah


6 comentários:

  1. A Paz, Clóvis!

    Lendo isso sobre os "crentes":
    "Parece que o adestramento a que foram submetidos possui limitações. Nem todos aceitam sugestionamentos que os levem a renunciar a seus interesses; ou dividirem suas posses com os necessitados; ou mesmo disponibilizar tempo para aqueles que estão abandonados em asilos, orfanatos e nas ruas."

    Faço a seguinte pergunta: Com certeza são crentes. Mas são cristãos de fato?

    Um abraço (triste).

    ResponderExcluir
  2. Tá, vc diz "aversão às coisas do mundo" o que vc quer dizer com isso? dá prá explicar onde na bíblia diz prá "amarmos as coisas do mundo" e nos deleitarmos nele? como os apóstolos amavam o mundo e participavam dos costumes pagãos? eles não eram separados dele? como essa prática nos faria mais parecidos com Jesus? Obrigado.

    ResponderExcluir
  3. "dá prá explicar onde na bíblia diz prá "amarmos as coisas do mundo" e nos deleitarmos nele?"

    Posso estar enganado, mas o irmão Ariovaldo não escreveu, e em nenhum momento quis dizer isso.

    ResponderExcluir
  4. é Raphael nesta eu também fiquei boiando...srsrrs

    ResponderExcluir
  5. Irani,

    Paz seja contigo. Obrigado por ler e postar suas perguntas.

    "Tá, vc diz "aversão às coisas do mundo" o que vc quer dizer com isso? dá prá explicar onde na bíblia diz prá "amarmos as coisas do mundo" e nos deleitarmos nele?"

    O foco do texto é a facilidade com que crentes, mesmo velhos, aprendem "truques". Isto é um fato amigável. Já vi pastores levar a igreja a "um alarido de glória a Deus" apenas dizendo "amém?" e mais "amém".

    Um desses treinamentos facilmente assimilados é aversão às coisas "do mundo" (mantive as aspas no lugar certo, pois é importante). O que o autor, creio, está se referindo é as coisas que consideramos "do mundo" e por isso dela nos afastamos. Eu poderia bem citar meia dúzia de exemplos de coisas que muitos crentes foram adestrados a considerarem do "mundo" e que nunca foram à Bíblia para ver se eram "do mundo" mesmo. Mas vou citar apenas uma.

    Ironicamente, enquanto "mundaniza" e até "demoniza" muitas coisas, a igreja está cada vez mais secularizada. E em coisas que realmente são do mundo e que o crente deveria manter distância. Vamos ao exemplo.

    Tomemos como exemplo de "mundanização via adestramento": a dança. Para muitos, dançar é pecado. Foram adestrados a ver a dança como algo mundano e pecaminoso. Porém, onde a Bíblia ensina que a dança é pecado, ou que é do mundo? O máximo que se vai nesse sentido é que "salomé dançou e João Batista perdeu a cabeça".

    Agora vamos a um exemplo de secularização da igreja: a dança. Ops, como assim? Cada vez mais vemos danças e coreografias nos cultos. Vi tempos atrás um culto que enquanto a congregação (na verdade, mais os "levitas") cantavam, meia dúzia de moçoilas em vestes esvoaçantes rodopiavam na frente da igreja. Onde vemos base para introdução desse elemento estranho ao culto em nossa liturgia?

    Compreende como o adestramento funciona?

    "como os apóstolos amavam o mundo e participavam dos costumes pagãos? eles não eram separados dele? como essa prática nos faria mais parecidos com Jesus? Obrigado."

    Ser mais parecido com Jesus é conceber a Criação de Deus como boa, o que inclui as artes, dando a Deus graças por ela enquanto desfrutamos para Sua glória. Jesus foi a casamento onde se bebia vinha e se dançava. Mas ser parecido com Jesus é pegar uma corda, fazer dele um chicote e expulsar os vendilhões do templo e expurgar o culto de todas as invencionices que os adestrados colocam um rótulo de gospel e contaminam o culto.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.