Bruxaria evangélica

Ordens dadas a Deus, decretos em que Deus nada mais é do que um serviçal, orações que comandam o braço de Deus, palavras mágicas que “liberam” o poder de Deus, isso tudo fica bem na boca dos bruxos e magos da religião, tenham eles os títulos de bruxos, mestres, pastores, bispos ou apóstolos. Bruxaria sempre será bruxaria venha de onde vier, principalmente dos mandatários da religião. A bruxaria evangélica não é diferente. Parte da presunção de alguns em, com palavras mágicas (abracadabras evangélicos) manipularem o braço de Deus. Deus então, segundo essa “tiologia”, se vê obrigado a fazer o que os seus “profetas” ordenam.

9 comentários:

  1. "Quem ontem era servo hoje acha-se senhor..."

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto.

    Eba. Meu bog voltou a listagem ^^.

    Clóvis, gostaria de te mandar um texto, qual teu email?

    ResponderExcluir
  3. Oi, Vini

    Pode enviar para o clovisjose@gmail.com.

    Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Roger,

    Logos sempre mais atual...

    Que Deus tenha misericórdia de nós.

    ResponderExcluir
  5. Vini, porque só pro Clóvis???? (rsrsrs)

    ResponderExcluir
  6. Acontece sim, é uma realidade.
    Boa reflexão.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Ednaldo,

    Seria porque eu sou o mais bonito de nós dois?

    Desculpe, não resisti!

    ResponderExcluir
  8. risos altos...

    madarei para os dois então..

    continuo a rir...

    ResponderExcluir
  9. é bem por ai mesmo. Somos o senhor e Deus nosso garçom. O que fizeram com a Soberania Divina?

    Daniel

    ResponderExcluir

"Se amássemos mais a glória de Deus, se nos importássemos mais com o bem eterno das almas dos homens, não nos recusaríamos a nos engajar em uma controvérsia necessária, quando a verdade do evangelho estivesse em jogo. A ordenança apostólica é clara. Devemos “manter a verdade em amor", não sendo nem desleais no nosso amor, nem sem amor na nossa verdade, mas mantendo os dois em equilíbrio (...) A atividade apropriada aos cristãos professos que discordam uns dos outros não é a de ignorar, nem de esconder, nem mesmo minimizar suas diferenças, mas discuti-las." John Stott

Sua leitura deste post muito me honrou. Fique à vontade para expressar suas críticas, sugestões, complemetos ou correções. A única exigência é que seja mantido o clima de respeito e cordialidade que caracteriza este blog.